Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Give me 5 minutes

Give me 5 minutes

Afastei-me mais um ano da infância

Pertenço ao grupo de pessoas que teve uma infância muito feliz, ainda que a memória dos primeiros 4 anos de vida seja maioritariamente a imagem de pessoas com batas brancas a rodearem-me (médicos e enfermeiros) e o cheiro horroroso do éter.

Uma infância que para algumas pessoas reunia condições suficientes para não trazer boas recordações, no entanto e apesar deste  pequeno contratempo no início da minha existência  sempre fui uma criança muito muito feliz.

Não que tenha sido infeliz alguma vez, pois considero-me uma pessoa que foi bafejada pela sorte, mas existem muitas coisas no mundo dos adultos que me entristecem e por vezes me envergonham… a necessidade que as pessoas têm de denegrir a imagem dos outros, o falar mal pelas costas, o facto de acharem que são melhores que os outros todos… enfim… li algures que a forma como falamos com os outros e sobre os outros revela muito sobre a forma como nos sentimos. Este tipo de pessoas que passam o dia a criticar e denegrir a imagem dos outros, leva-me a acreditar nesta premissa. Pessoas que insistem tanto na crítica de tudo e de todos devem ser pessoas muito infelizes… Pessoas felizes não se centram nos defeitos e nas limitações dos outros…Pessoas felizes falam de coisas não de pessoas…

Não sei se já vos aconteceu mas já conheci pessoas que o único tema de conversa é o sujeito A, o sujeito B, o sujeito C e por ai vai, e se abordarmos outro tema, sai de fininho para procurar outro grupo ou outra pessoa para continuar no “ corte costura”

Por isto, enquanto muitos se desligam da infância e sentem uma necessidade voraz de crescer, eu sempre fiz o oposto, sempre me "agarrei" muito à minha meninice, e esta tem sido a minha tábua de salvação para as injustiças, cretinices, ressabiamentos e frustrações que vejo diariamente. Note-se que não sou nenhuma santa e também teço as minhas críticas q.b.

As situações a que assistimos diariamente seja nas caixas dos supermercados, nos postos de trabalho, nas salas de espera, entristece-me… e reforça a minha opinião de que é bem mais interessante o mundo das crianças, a facilidade com que resolvem os conflitos, a facilidade que têm para lidar com as contrariedades, o relacionamento sincero e desinteressado com os outros…

Na blogosfera não nos conhecemos, refugiamo-nos atrás de um avatar ou atrás do nome de um blog. Cada pessoa protege a sua identidade por motivos diversos, no entanto muitas das pessoas só neste mundo conseguem ser elas próprias, sem medos de críticas, sem medos de dedos apontados…e é aqui que muitas vezes se criam grandes e sinceras amizades ainda que muitas permaneçam virtuais. O apoio e a aceitação parecem ser a chave de sucesso destas plataformas.

Se bem que não sejamos obrigados a gostar de todas as pessoas com que nos cruzamos, devíamos pelo menos mostrar algum respeito antes de apontar o dedo, ninguém sabe o que se passa com as pessoas para terem determinado comportamento mas está visto que o ataque continua a ser o caminho mais fácil... mas para os crentes parece não fazer mal porque depois vamos à missa das 18:00 confessamo-nos e fica tudo bem. Saindo da igreja começa tudo de novo…

Tenho alguma tristeza em dizer que estou cada vez mais longe da minha infância…

 E vocês conhecem  muitas pessoas assim?  E estão perto ou cada vez mais longe da vossa infância?

573be57bedd3a28672e21b0269139301.jpg

 

Comer sem culpa

O que hoje vos trago é uma receita para aqueles dias em que nos apetece muito um doce,mas não queremos sair da dieta. A  receita é adaptada de uma que vi no istagram da nutricionista Mariana Abecassis 

É muito simples,só vão precisar de 4 igredientes.

Ingredientes:

  • 2 ovos
  • 4 claras
  • 2 maças bravo mofo
  • 1 iogurte natural, ( como não tinha em casa usei um iogurte com sabor a coco)
  • canela a gosto

Preparação:

  • batem os 2 ovos com as 4 claras
  • juntam o iogurte 
  • cortam uma maça em pedacinhos e juntam ao preparado anterior
  • deitam canela a gosto
  • forram a forma com o preparado ( a Mariana usou  uma forma de silicone mas como não tenho, usei a forma tradicional e pincelei com margarina)
  • decoram com a outra maça cortada em lascas e pulvilham com canela
  • levam ao forno aproximadamente 30 min
  • et voilá um docinho sem estragar muito a dieta 

A minha receira não ficou tão bonita quanto a da Marina mas está saborosa. Experimentem e digam-me se gostaram.

InShot_20200223_180259443.jpg

 

Provei e gostei

Não é novidade para ninguém que hoje em dia  como andamos sempre a correr de um lado para o outro nem sempre fazemos lanches saudáveis.

Como fico impaciente quando tenho fome, trago sempre na mala um snack, que tanto pode ser um pacote de bolachas, um iogurte liquido, um  compal de fruta, uma banana… algo que me sacie por algum tempo.

Sempre a pensar  em lanchinhos  diferentes tento estar atenta aos produtos  disponiveis no mercado e que apresentam pacotinhos individuais. A descoberta destas bolachas foi feita  quando estava numa fila de supermercado e reparei que a senhora que estava á minha frente levava uma quantidade considerável de bolachas desta marca. Não conhecia mas como estavam em promoção resolvi comprar  para experimentar.

Até agora  e porque são bolachas caras ainda só provei 2 variedades, uma com recheio de iogurte e estas com pepitas de chocolate.

O que vos posso dizer é que apesar de indicarem poucas calorias, são bolachas muito doces que vos saciam durante muito tempo, podendo mesmo servir de pequeno almoço pois vão conseguir aguentar bem toda a manhã.

Não será necessário dizer que como todos os alimentos  elas devem ser consumidas de forma consciente e moderada, o problema é que elas são mesmo muito boas.

E vocês já provaram as bolachas  belvita? Quais são as vossas preferidas?

 

InShot_20200212_184729806.jpg

 

Carregar baterias

Passamos os dias a correr para todo o lado. Para o emprego, para o ginásio, para o supermercado ... de segunda a sexta-feira penso  que seja igual para todos nós. Todos  desejam as benditas sextas feiras ( os que trabalham de segunda a sexta obviamente). Chegada a sexta-feira  vem a necessidade  de desacelarar de mudar o ritmo e aproveitar a vida.  Claro  que nestes 2 dias de folga do emprego   também  trabalhamos mas ao nosso ritmo, com os  nossos  timmings. Organizamos as nossas coisas e aproveitamos para carregar as baterias passeando pela  planície alentejana. A tranquilidade, o contato com a natureza, as cores os cheiros os sabores ... quem te resiste Alentejo?

E vocês  onde carregam as baterias?

 

InShot_20200216_153755008.jpg

 

Magnífico Alentejo

Muito apaixonada pelas cores, pela tranqulidade, pela segurança, pelo património, pela culinária... por tudo neste Alentejo. 

InShot_20200211_134748250.jpg

 

Mais alguém  sente o mesmo?

12 coisas para te lembrares todos os dias

Como estamos quase, quase a iniciar uma nova semana lembrei-me de vós deixar umas dicas motivacionais.

  1. O passado não pode ser mudado
  2. As opiniões dos outros não te definem
  3. Tudo melhora com o tempo
  4. A vida dos outros é diferente da tua
  5. As críticas dizem mais dos outros do que de ti
  6. Pensar demais causa tristeza
  7. A felicidade vêm de dentro
  8. Pensamentos positivos atraem coisas boas
  9. Os sorrisos são contagiosos
  10. Gestos gentis são gratuitos
  11. Só fracassada se desistirem
  12. Normalmente tudo o que dás recebes de volta. 

Querem acrescentar mais algum?

Bom resto de domingo e boa semana

Valentine Day versus consumismo

Quando o mote são estas datas comemorativas, quer queiramos quer nos lembrem associamo-las sempre ao consumismo. Mas será que temos mesmo que gastar dinheiro para festejar este dia?

Claro que sim, porque ainda que não se compre nada especifico, temos sempre necessidade de fazer alguma compra, senão vejamos se quisermos fazer um bolo temos que comprar os ovos, farinha, manteiga… e por ai vai…

Se quisermos levar o pequeno – almoço à cama, temos que comprar o pão, o queijo, o fiambre, o leite, o café, o açúcar, o sumo….

Se quisermos fazer um passeio, ou vamos a pé, vamos gastar o calçado, se formos de carro temos que pagar o combustível, se usarmos o transporte público temos que pagar o bilhete.

Por isso meus amigos, não se sintam mal se comprarem algum miminho à vossa cara metade.

Desde que não façam "mossa" no vosso orçamento familiar, mimem-se e aproveitem o dia.

Deixo-vos algumas sugestões umas mais baratas outras mais caras:

  • O bolo preferido da cara metade ;
  • Um jantar mais requintado;
  • Uma escapadinha a dois, diferente da zona de residência, (um fim de semana á beira mar, ou num turismo rural, ou na Serra da Estrela por exemplo)
  • Um perfume
  • Um relógio
  • Um Telegrama em chocolate disponivel em My Sweet 4 you -  ver aqui ( uso este site e para os mais curiosos informo que não sou patrocinada, infelizmente )

  • Um CD
  • Um livro
  • Uma massagem a dois
  • Um passeio de barco/ canoagem
  • Um bilhete para um concerto/espetáculo
  • Um workshop sobre algo que interesse ao parceiro(a) por exemplo fotografia
  • Uma sessão fotográfica a dois
  • Uma ida ao cinema
  • Um cruzeiro :

                    Setúbal – podem fazer o Cruzeiro Rota dos Golfinhos        

                    Peniche – Passeio de barco – Visitar as Berlengas

                    Porto – Cruzeiro das 6 pontes do Porto

                    Lisboa - Passeio de Veleiro

Lembre-se que seja qual for a vossa escolha o mais importante é estarem juntos e felizes nesse dia.

 

 

 

O impacto das palavras e o efeito bomerang

Todos sabemos que as palavras são reflexo dos nossos pensamentos e sentimentos e têm um enorme poder, quer seja para agradar ou para magoar as pessoas.

Raramente pensamos no impacto que as nossas palavras vão ter nos outros. Falamos sem pensar e muitas vezes de cabeça quente e é nestas situações que usamos os términos errados.

Mas todos fazemos isso, magoamos e somos magoados. O que hoje quero é mostrar outro ponto de vista.

Lembrar-vos que as palavras só têm o poder que lhes atribuímos, ou seja, se nos dirigem palavras ofensivas, estas só surtirão o seu efeito se as valorizarmos e lhe dermos esse poder.

Experimentem ignorar as palavras “ofensivas ou maldosas” que vos dirigem e poderão constatar que elas terão o efeito boomerang, isto é a pessoa que as profere não tem o retorno que pretendia e vocês saem vencedores nestas ofensas/ maldades.

Ao longo da minha vida tive oportunidade de constatar que o ser humano tem muita dificuldade em elogiar, mas está sempre pronto para magoar.

Talvez seja um comportamento defensivo,  mas a maioria das pessoas que tenho observado centra-se mais na vida alheia do que na sua. Ao invés de investirem em coisas que possam melhorar a sua vida, as pessoas ocupam o tempo a “fuçar”  a vida a dos outros e a pensar como poderão prejudicar / magoar o “vizinho”.

Não fazem nada para melhorar a vida deles mas também não querem que os outros façam e condenam os que se esforçam para progredir…

Para memorizar: se vos dirigirem palavras negativas não lhes deem poder

 

Exercitar os neurónios

Preocupamo-nos bastante com o corpo, promove-se muito a atividade física e a alimentação saudável, mas nem sempre se fala no mais importante que é o treino do nosso cérebro. Se o cérebro não for treinado de nada nos servem as atividades físicas e a alimentação saudável.

Quem nunca teve um bloqueio mental, ou ter a palavra na ponta da língua, mas que nunca se recordou por mais esforço que fizesse?

Sobre este assunto li à pouco um artigo que diz  que nasceram recentemente dois novos conceitos, são eles a neuróbica, (a eurobica do cérebro) e neurofitness (exercícios que trabalham grupos musculares diferentes e ao mesmo tempo).

Estes dois conceitos promovem o exercício para o cérebro. Exercício esse que se foca na mudança de hábitos, ou seja, devemos obrigar o cérebro a treinar competências novas e abandonar os automatismos. Podemos faze-lo alterando os nossos comportamentos diários, fugindo da rotina e fazendo uso dos 5 sentidos, visão, olfato, tacto audição e paladar.

Eis alguns exemplos simples de treino neurológico que podemos/ devemos  fazer todos os dias:

  • Lavar os dentes ou escrever com a mão não dominante.
  • Vestirmo-nos com os olhos fechados
  • Confecionarmos  alimentos novos
  • Usarmos o relógio no outro pulso
  • Ver as horas num espelho
  • Tomar banho de luz apagada
  • Jogar xadrez
  • Fazer puzzles
  • Alterar o percurso para o trabalho
  • Memorizar um uma palava ou uma música
  • Trocar  de lugar o rato do computador
  • Aprender uma língua
  • Numa refeição fora de casa tentar identificar os ingredientes usados na confeção
  • Numa sala onde esteja muita gente, tentar determinar quantas são do sexo feminino e quantas do sexo masculino, quantas usam calças…
  • Escolhendo uma palavra, tentarmos encontrar outras 5 que rimem ou sejam sinónimos ou antónimos da palavra que escolhemos.
  • Ouvir rádio e tentar no fim do dia resumir os temas abordados para ver de quantos nos lembramos
  • Ver uma fotografia e procurar  adjetivos que a descrevam
  • Ler muito

Pequenos gestos que provavelmente alguns deles já fazemos, mas que podemos melhorar.

E voces fazem alguma destas coisas e vão tentar fazer algum?