Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Give me 5 minutes

Give me 5 minutes

16 de Setembro, 2020

Destralhar on line

Give me 5 minutes

Agora que o minimalismo está tão em voga,  a maioria daas pessoas  aproveitou o período da  quarentena para dar uma volta pela casa e perceber o que precisa e o que podem  descartar e porque o excesso de coisas que tenho em casa já me causa alguma ansiedade,  também eu fiz a minha própria seleção de coisas umas para dar  e outras para vender.

Dar roupa, material escolar, sapatos… é tarefa fácil, colocamos tudo num saco e enfiamos tudo nos contentores disponíveis em todas as cidades, mas moveis, que são peças maiores, livros novos ainda  fechados no plástico de origem,  roupa, calçado  ou outros objetos  de marca, em que obviamente tentamos recuperar algum do  dinheiro investido, isso já é uma tarefa que se tem revelado muito muito  difícil.

Tentei vender no OLX, nos grupos do facebook   e até criei uma loja no Instagram e nada.

Já tive contactos, poucos, muito poucos… mas não sei se as  pessoas estariam  efetivamente  interessadas  nos produtos ou se  só queriam conversar,  olham para a imagem e não leem a descrição… e o contacto passa por  ser apenas a colocação de  questões cuja resposta está na  legenda da fotografia. Sim porque tenho o cuidado de colocar a informação que eu própria gostaria de ter caso estivesse interessada num produto.

No OLX  os anúncios que não são pagos ao OLX, ficam muito escondidos, no facebook  todas as pessoas veem mas comprar ninguém quer.

Já falei com pessoas conhecidas, que conseguiram vender coisas, para tentar perceber o que estaria a fazer errado mas o que consegui delas foi unicamente a informação  de  que  efetivamente conseguem dar e conseguem  vender as coisas  mas muito abaixo do preço que  propõe, que seria o preço justo,  no entanto  existe um senão que é o facto de passados uns tempos  as pessoas que aceitam a doação ou que compram a baixo preço,  voltam a vender os produtos nas mesmas plataformas  a  valores muito superiores.

Existem também os aproveitadores que  são aquelas pessoas  que nos grupos de doação são sempre as primeiras a querer ficar com tudo não dando oportunidade a quem realmente precisa…

 

Já no Instagram, nas lojas on line, porque acreditem existem muitas,  deparei-me com outra realidade, as pessoas fazem compras e pagam   por transferência bancária, tiram foto  do comprovativo da transferência para enviar ao dono da loja estes  perante o comprovativo da transferência enviam o produto ao cliente, Este último depois de receber a confirmação do dono  da loja de que a peça foi enviada cancelam a transferência ou seja ficam com os produtos a custo zero. Felizmente e como existem muitas lojas deste género as pessoas vão passando a informação, no entanto  estes espertinhos   não desparecem, limitam-se a criar um outro perfil e a enganar outra pessoa.

Para as vendas nestes moldes deixo uma dica só enviem o produto quando tiverem a confirmação que o dinheiro já entrou  na vossa conta.

E é triste este mundo em que  vivemos, um mundo de trafulhice… não seria, bom se todos colaborássemos e nos ajudássemos mutuamente?

Sempre pensei que vender on line, fosse um pouco mais fácil, não  me tinha ainda apercebido da quantidade de “ vigarices” que se praticam e estamos a falar de coisas baratas, penso que o valor máximo destas burlas são 10 20 euros….

 

Valerá a pena sujar  nosso nome?

E vocês já tentaram vender ou comprar on line a particulares?

Como correu? Partilhem aqui a vossa experiência e a as vossas dicas.

Bom resto de semana

 

3 comentários

Comentar post